14
Dez 08

Meus sonhos estavam inundados de um sentimento de perda. E quando me levantei hoje pela manhã percebi que minha casa chorava. Meu quarto escorria em lágrimas, as paredes molhadas de água salgada. Meus quadros, fotos, cartas, todos manchados com o líquido. Eu percebi que o choro era meu. Não de lamento, de tristeza, ou solidão mas de medo. Terminei uma etapa. E depois dessa vem outra que eu não tenho idéia de como será.

Completei o ensino médio.

A maior vontade do meu pai e que eu terminasse os estudos e fosse embora. Sim..fosse embora, conhecesse o mundo e deixasse o mundo me conhecer. Ele queria que eu tivesse muitas vidas, e eu o entendo. Porque agora acho que essa que vivo não me faz feliz. Estou indo embora de mim. Ou pelo menos de quem sempre achei que era, a gente se descobre por detrás das roupas, dentro da pele, no fundo da alma. Se descobri como ser pensante, amante e amado, ser que tem necessidades e não me refiro a alimento, vestimenta, casa, digo sobre preenchimento interior.

Há 3 anos atrás eu era uma menina, que realmente não sabia o que queria. Eu era a menina amarela, sempre com tanto medo que deixava a escolha da minha vida na mão dos outros. Eu acho que essa menina cresceu, não o suficiente pra ser mulher, mas pra ser algo indefinido, apenas a Serena sem predicativos. A Serena apaixonada, serena medrosa, serena nervosa, serena confusa, serena tagarela não existem várias. Apenas a Priscylla que todo mundo gosta de chamar de Serena.

É difícil deixar algumas coisas pra trás, mas se você não as deixa elas pesam sua bagagem e te cansam antes de alcançar o topo da montanha. Eu não sei o que tem no topo, mas se for algo que eu não quero eu desço e procuro em outro lugar. As vezes a gente acha que pra ser feliz precisa de uma coisa e então você perde essa ”coisa” e vê que a vida continua, “a vida apenas sem mistificação”.

De alguma forma você tem que ir em frente, se desisti, se fica na curva, se conversa na esquina, o outro “aquilo” que poderia te fazer mais feliz do que antes não é achado, e se perde. Porque nem todo mundo quer o que você quer, ou seja o seu sapato pode até servir em outras pessoas mais fica mais bonito no seu pé. Você pode também aceitar o sapato de outra pessoa, mas ele pode ficar apertado, ou folgado, ou te incomodar. É o que acontece quando tentamos ficar com algo que não é nosso.

 Eu sei que essa não é a minha casa, e que esses planos que tentam me fazer seguir não são meus, e tudo que quero é ter algo pra chamar de meu, mesmo que seja a solidão. Eu não sei como vai ser daqui pra frente, estou deixando família, amigos, e tudo o que aprendi a aceitar pra trás em busca de algo que eu não sei se vai me fazer feliz, mas eu não quero ficar na esquina, eu quero seguir em frente. E saber quem sou.

Meu prato preferido é lasanha.

Eu tenho 3 cores favoritas: verde, laranja e roxo.

Eu não gosto de teias de aranha e nem de poeira.

Gosto de ouvir música com fone e trancar a porta do quarto pra ler, faço os dois ao mesmo tempo. Gosto de fingir que o mundo ta lá fora enquanto eu e o Hercule Poirot desvendamos um assassinato.

Quando estou nervosa falo demais.

Gosto de roer as unhas, mas pra não ficar com consciência pesada escolho uma das mãos pra não fazê-lo.

Gosto que mecham no meu cabelo, gosto de abraço, beijo com água gelada, que cantem pra mim, declamem poesia inventada, desenhar, inventar novos finais pra filme dentro da minha cabeça, contar piada sem graça, sentir o cheiro de quem amo no pé do pescoço (se vc acha que pescoço não tem pé, presta atenção!), andar de mãos dadas, mãos quentes, de cozinhar.

Não gosto de gente burra, hipócrita, ou que se faz de algo que não é, sem-graça, melindrosos, insensíveis, incompreensíveis, aliais não gosto de INs. (improvável, impossível, insuportável, sempre parece que esses INs te impedem de tentar. Poderia ser: Indesespero, Inruim, Indesfelicidade..enfim)

Eu amo um cara, e ele sabe mais não acredita, e acho que todo mundo já passou por isso, então eu também deveria passar (Passar por situações que todo mundo viveu, ou viverá te faz sentir normal). Talvez a maioria não tenha amado, ou tenha confundido, ou tenha ignorado porque é mais fácil não amar. Ele é mais velho e com certeza pensa que isso que eu sinto vai passar. No meio da história eu também queria que passasse, porque pensar nele me consumia.

Mas hoje eu entendo que ficar esperando sua voz sair da minha cabeça ou a imagem dos seus olhos do meu coração não resolve nada. O amor não é algo medíocre pra ser deixado de lado ou esquecido ou superado. É algo importante demais pra eu passar por ele e desisti. Não, ele não me ama, pelo menos eu não sei se ama, só tenho certeza do que sinto e é por este sentimento que vou em frente. Acho que ele não quer acreditar, porque as vezes acreditamos nas pessoas erradas quanto ao que realmente querem ou sentem. O nome disso é decepção.

De todo coração, posso oferecer esse amor e ele recusar. E isso seria ruim porque amor é diferente de paixão, amor é mais forte , e paixão não é nada além dela mesma com atração temperada a gosto.Eu não morreria, apenas viveria sem ele. Outra diferença entre os sentimentos é que um te faz querer o bem e desejar a felicidade daquele que você ama mas não pertence, o outro gera mágoa e rancor.

“Quero vive-lo em cada vão momento e em seu louvor ei de espalhar meu canto e rir meu riso e derramar meu pranto ao seu pesar ou seu contentamento e assim quando mais tarde me procure quem sabe a morte angústia de quem vive quem sabe a solidão ao fim de quem ama, eu possa lhe dizer do amor que eu tive que não seja imortal posto que é chama mas que seja infinito enquanto dure.”

Soneto de Fidelidade – Vinicius de Moraes

Prefiro o Tom Jobim ao Vinicius, porque um vivia o amor o outro acreditava na paixão. Mas como adoro os sonetos do Vinicius escolhi esse.

publicado por serenaatedemais às 19:45
Ouvindo: Elephant Gun - Beirut

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28
30
31


Frio de tão velho
Alguma coisa sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
blogs SAPO