19
Set 08

 

Era uma noite mais escura que as outras, onde o vento era sinal de chuva.

Ela parada, pensando em como seria e se seria fácil conhecê-lo, as duas últimas tentativas haviam sido tão frustantes que durante um tempo pensou :"Talvez não seja pra gente se conhecer, talvez eu deva apenas ser um borrão, um rascunho de amiga pra ele".

Quando se espera tanto por alguém se alimenta espectativas que podem ser boas ou não. Por um momento ela teve medo, de não ser bonita demais, inteligente demais, ou qualquer coisa que não fosse demais pra ele. Qualquer coisa que não fosse ela. Em menos de um segundo a situação mudou, e ao invés de medo sentiu segurança.

Os olhos dele são mais claros do que pensará, suas mãos tão brancas quando paradas mas rosadas quando agitadas, sua pele é clara, seu cabelo é legal (legal pra mim é lindo --') e tudo isso ela sabia de olhar, mas quando tocou nas mãos dele tão quentinhas (as suas parecem de defunto estão SEMPRE geladas, menos naquele momento quando as dele as esquentaram ), ela também não sabia que sua pele era macia, que seus cabelos eram lisos ao toque e que seu sorriso era mais engraçado do que qualquer piada.

E ela se sentiu plena, agradecida a Deus, porque as duas pessoas que mais gosta estavam juntas, um amigo a quem ela tem como irmão, e um outro amigo que se tornou amigo no momento em que a ofereceu um travesseiro como presente:

 

- Olha Serena eu tambem tenho um presente pra vc!. Serve pra dormir.

*entregando o travesseiro*.

- Na verdade ele não serve pra dormir, a gente só põe a cabeça nele quando vai dormir.

- ahhh..vc é tão engraçadinha Serena.

 

Ela ficou impressionada de ver como aquele cara era alto, em como ele sempre a respondia com uma pergunta, em como  era tão estabanado, implicante, desligado, e menina(no caso dele menino) quanto supunha. E por alguns momentos sentiu como se todos os problemas não existissem, sentiu que poderia sorrir, fazer piadas, ser implicante e ser livre.

Sentiu que seria fácil.

ele a fez sentir assim.

Durante 7 anos não houveram chuvas na vida da menina, só a seca, que endurece os corações, que esteriliza os braços, os abraços, até que o menino japonês chuviscou em seu coração, até que o outro menino de all star enxurrou sua alma.

Porque ser feliz pareceu mais fácil do lado deles correndo debaixo da chuva de Brasília que durou 5 minutos de eternidade

E essa menina era a Priscylla, que chorou e virou Maria, que sorriu e virou João, que tinha que ser constantemente rotulada, e que sentia falta da época em que era apenas a menina.

Ela esta aqui, e que de vez em nunca é feliz (o ontem da menina foi o mais feliz de todos os ontems que ela jah viveu), e aí não importa se a Serena SÓ tem 17 anos, se mora longe de tudo, se tem um monte de gente que a esnoba, porque ela sabe que pra alguém ela é mais que menina. ela é mais do que ela acreditou que era.

E a chuva choveu, durante segundos que pareceram horas, e se tornaram dias no coração da menina, e ela gosta de chuva porque só a chuva de seus meninos  libertou seu coração. E quanto ao menino de all star ela espera ter chovido um pouco nele, ter gotejado durante o sonho dele e enxarcado alguns desenhos em cima da mesa de cabeceira.

 

P.S:. Dedico este a quem me deu uma noite de chuva, perguntas não respondidas, chocolate preto grudado no céu da boca, chute na bunda**, carinho no cabelo, abraço no táxi e um SeRenA com sotaquee hilário de garoto do interior.

publicado por serenaatedemais às 03:15
Precisando de : a dois passos da plenitude
Ouvindo: You only live once - The Strokes

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26

28
29


subscrever feeds
Frio de tão velho
Alguma coisa sobre mim

ver perfil

seguir perfil

6 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO