20
Ago 09

É interessante pensar sobre isso. Na escola tudo é muito abstrato, muito confuso. Você lê o suficiente pra pensar que sabe ou entende sobre o assunto. Mas as coisas são bem diferentes, porque papéis não possuem emoção, letras não traduzem sensações, apenas explicam possíveis reações do seu corpo há determinados estímulos. Sinceramente tudo é muito intenso, os sentimentos, as vontades, os medos não cabem em dez mil parágrafos. Onde colocar a mão, como colocar, o que você provoca no outro, o que ele te causa, e etc, etc, etc. E quando as bocas sussurram, as mãos gritam, os olhos se fecham pra que os outros sentidos trabalhem sozinhos, tentando traduzir o desejo que se espalha pelo corpo. Isso é concreto.

A vontade dilacerante pela pele do outro, o fogo transbordando de todas as partes do seu corpo. E depois a calma, a paz quase palpável da situação. E pra mim sexo é o amor no estado físico, assim como paixão é um estado mental.

É a energia que circula pelos dois corpos num momento quase eterno, em segundos aonde nada mais importa além de vocês dois. Também tem a parte nojenta e constrangedora, porque fazer isso exige intimidade, nem sempre envolve respeito, mas sempre prazer. E é em busca disso que a maioria procura um alguém, um corpo, um objeto de manuseio. Uma vez alguém*(Israel) me disse que era fácil e difícil: fácil porque se pode arrumar qualquer um pra fazer isso, pra transar não precisa amar, nem respeitar, nem conversar, nem entender, resumindo, é como se o homem tivesse uma porca e a mulher um parafuso, (apesar de existir o sexo homossexual) um só precisa do outro (as vezes, tem gente que faz disso um esporte solitário, ou um jogo de futebol, depende do gosto. ), e ao mesmo tempo é difícil, porque quando você gosta de alguém se importa, com tudo. Com o respeito, com a conversa, com o entendimento e também com o prazer. Com dar (literalmente) o seu melhor.

É eu nunca falei sobre isso, mas será que é vulgar falar sobre sexo, dessa forma que estou falando? É por que sou virgem e só posso falar sobre isso se fizer? Por que isso não é coisa de menina "direita"?

Sempre me fizeram acreditar nisso, que moças "direitas" não falam sobre isso, e quando fazem estão limitadas por uma série de regras e medos.

No carnaval desfilam centenas de mulheres com roupas do tamanho de uma tecla do meu teclado. E nas novelas as pessoas não só falam sobre, como também fazem. O Brasil é um país quente, e não me refiro só ao clima, as pessoas respiram sexo: nas propagandas, nas musicas, nas roupas. Sei que muitas mulheres simplesmente não falam sobre isso (de repente eu me sinto meio mulher, meio amadurecida) seja pela criação, ou por vergonha, ou por acharem que sabem o suficiente, ou porque não se interessam. Mas, penso de uma forma diferente, porque tudo o que é feito a dois, precisa de explicação. E quero entender..antes de fazer e me arrepender por não ter aproveitado ao máximo meu "momento virgem", alguns querem acabar logo com isso, ou demorar, ou nem pensam sobre o assunto, mas é seu corpo..que vai ser dividido com outra pessoa.

E isso, não acontece assim, de uma hora pra outra, vocês dois sentados no sofá e um vira pro outro e diz: Então, vamos fazer agora ou daqui a meia hora? Esse treco tem uma preparação, tem os amassos, ou "preliminares" (como me ensinaram :P só que preliminares dá a entender que haverá algo depois do pré- o que não é o meu caso..ainda :?) aonde cada vez tem uma quebra de limites, que pode ser comparada á apontar um lápis, se você começou não tem mais como parar, tem de ir apontando até o fim.

Sexo envolve uma parcela mínima de amor, é aquele tiquinho que fica no fim da panela de brigadeiro. E amor, também exige o mínimo de sexo, isso foi a Rita que me ensinou "Sexo é imaginação, fantasia, amor é prosa, sexo é poesia, amor é um sexo é dois". Porque de alguma forma eles devem se completar, em algum momento, quando fazer os dois em situações diferentes não te faz sentir nada, é nesse momento que você descobre que um pode até existir sem o outro mas nunca vai ser tão bom quanto poderia ser se estivessem juntos.

Não sei se quando eu resolver esse pequeno problema (se é que podemos chamar assim u.ú) eu vou contar pra vocês, por isso sim, acho íntimo demais pra expor no blog, mas..o resto. Affê só falta agora eu falar de política e futebol, aí isso aqui vai virar um puteiro (com o perdão da palavra). Então..contanto que não me mandem textos eróticos, links pornôs, sites impróprios para menores de 18 anos (okai, eu tenho 18, mas não to afim de ver!) aceito feedback numa boa.

 

comece esta canção e toda a envolva.

Amor guie o meu verso, e enquanto o guia,

reúne alma e desejo, membro e vulva.

Quem ousará dizer que ele é só alma?

Quem não sente no corpo a alma expandir-se

até desabrochar em puro grito

de orgasmo, num instante de infinito?

O corpo noutro corpo entrelaçado,

fundido, dissolvido, volta à origem

dos seres, que Platão viu completados:

é um, perfeito em dois; são dois em um.

Integração na cama ou já no cosmo?

Onde termina o quarto e chega aos astros?

Que força em nossos flancos nos transporta

a essa extrema região, etérea, eterna?

Ao delicioso toque do clitóris,

já tudo se transforma, num relâmpago.

Em pequenino ponto desse corpo,

a fonte, o fogo, o mel se concentraram.

Vai a penetração rompendo nuvens

e devassando sóis tão fulgurantes

que nunca a vista humana os suportara,

mas, varado de luz, o coito segue.

E prossegue e se espraia de tal sorte

que, além de nós, além da própria vida,

como ativa abstração que se faz carne,

a idéia de gozar está gozando.

E num sofrer de gozo entre palavras,

menos que isto, sons, arquejos, ais,

um só espasmo em nós atinge o clímax:

é quando o amor morre de amor, divino.

Quantas vezes morremos um no outro,

no úmido subterrâneo da vagina,

nessa morte mais suave do que o sono:

a pausa dos sentidos, satisfeita.

Então a paz se instaura. A paz dos deuses,

estendidos na cama, qual estátuas

vestidas de suor, agradecendo

o que a um deus acrescenta o amor terrestre.

Extraído do livro O amor natural, Carlos Drummond de Andrade

 

O Drummond só autorizou a publicação deste livro após sua morte, ele tinha medo que o achassem imoral, que perdesse crédito.  Eu ainda amo o Drummond. Isso me torna imoral? tomara qe sim.

"Oh! Sejamos pornográficos

(docemente pornográficos)

Carlos Drummond de Andrade.

 

 Amor - pois que é palavra essencial

publicado por serenaatedemais às 22:51
Precisando de : compreensão.
Ouvindo: Sexo - Oswaldo Montenegro

23
Jul 09

 

P.S:. Adoro essa frase :P. Amo ele.é..esse tal de "Israel" eu amo, e..estou apaixonada por ele. JULIANE SINTO SUA FALTA!

 

Eu jurava que era amor, era assim que eu chamava aos 14 anos um fogo que eu sentia por um namoradinho de esquina, aí ele terminou comigo porque eu não quis ceder. E sofri. Chorei pra cacete e pensei que ia morrer. Decidi fazer um curso pra ocupar a cabeça e esquecer o fulaninho.

Quando o conheci eu tinha cabeça de vento, pé de pluma e falava igual uma matraca, além de ter muita pouca vergonha das coisas. Tudo era tão simples. E tudo continua sendo assim, eu é que estou me complicando cada vez mais. Ele era bonitinho, engraçado, tímido, tinha namorada e vivia pra me dar respostas mal-educadas. Eu era persistente, teimosa, chata, metida á engraçada e gostava de conversar com ele. Da amizade pra paixão foram horas e horas de conversas irônicas e caretas dele. Ele respeitava sua namorada, eu respeitava a decisão dele.

Me apaixonei, o confessei, quebrei a cara, desisti.

Ele se apaixonou, me confessou, eu acreditei, quebrei a cara, desistimos.

Ele desistiu de mim. E eu desisti de tudo.

Esse é o resumo resumido da história, eu editei a parte de 3 anos de conversas ciumentas, choradeiras, pedidos de desculpas, eu conhecer a namorada dele, ela me odiar, e nós nunca mais nos falarmos. Quando tudo estava acabado apertei delete sem dó.

Parei de ouvir as musicas que escutávamos juntos, dei algumas peças de roupa com o cheiro dele, parei de fazer meu curso, e nunca mais toquei no assunto.

Até que um belo dia, exatos 1 ano e 9 meses depois do ocorrido, o telefone toca, e é ELE.

Meu antigo professor, o cara que me deu um pé na bunda meteórico, dizendo que quer me ver, pedir desculpas e que gosta de mim.

Nessa sexta dia 24/07 fazemos 2 meses de namoro.(O que cá entre nós, pra mim que nunca passo de 3 semanas é um avanço e tanto.)

DÁ PRA ACREDITAR??

O Israel é organizado, calmo, tímido, sistemático, velho, lindo, engraçado, meio bobo, educado, paciente, carinhoso e leonino.

Eu sou chata, paranóica, sonolenta, nervosa, bagunçada, ciumenta, fria e capricorniana. Entre outros.

Nós não temos nada haver. Mas estamos juntos, porque sempre foi assim. Ele estava adormecido em mim, quando eu acreditava estar morto. Quando eu queria que tudo o que sentia estivesse enterrado.

Cada vez me engano mais com esse negócio de amor, porque algumas pessoas acham que amar envolve ficar junto pro resto da vida, que você tem que beijar, abraçar e transar com quem você ama. E isso me irrita, o amor ser instrumento de troca ou de posse.

Você ama seus pais, já transou com eles?? Já pensou em casar com a sua mãe, ou ter filhos com o seu pai??

O amor é bilateral. A verdade também. E a verdade é que eu amo muitas pessoas, e gosto de dizer isso, quer dizer, aprendi a dizer com franqueza sem medo de que não gostem. Eu os amo mas não estou apaixonada por eles.

"Tem amor que já nasce no coração, e tem amor que é plantado no peito. Os dois possuem semelhanças, ambos tem que ter terreno fértil e precisam de cuidados." Ouvi isso e achei o máximo.

Porque o que eu sinto pelo Israel, foi concepção espontânea, simplesmente nasceu em mim. Desde o momento em que nos vimos...essa "coisa" aconteceu.

E esta presente na minha vida de novo, eu não sei quanto tempo vai durar dessa vez (Se bem que 3 anos é um tempo bom pra durar), porque você pode amar uma pessoa e não ser feliz com ela.

Já sentiu vontade de passar o resto da sua vida com alguém?

Pois é, agora eu estou sentindo isso. Nós podemos terminar amanhã, semana que vem, ou daqui a 10 anos. Só quero me lembrar de como me sinto agora, feliz, completa. Só quero estar com os pés no chão, e a certeza de que o coração esta no lugar certo. Porque mesmo que não dê certo, eu vou ter feito o que precisava fazer.

Então, se você TEM que fazer alguma coisa, que todo mundo acha idiota, masoquista ou estúpido, FAÇA!,

Faça por você e por suas necessidades. Faça pela pessoa que deseja SER. Vá ate o fim.

"Sem julgar, nem condenar. Você fez o que tinha que fazer!"

publicado por serenaatedemais às 02:13
Precisando de : Enfim completa.
Ouvindo: Hot'n Cold - Katy Perry

04
Jun 09

Algumas coisas simplismente acontecem quando menos se espera. Algumas pessoas aparecem quando menos se precisa. E o que define nosso grau de necessidade??
Um dia conheci um principezinho que teve de sair do seu planeta por medo, necessidade, e um pouco além desses sentimentos, havia a curiosidade de saber como é viver longe daquilo que se acha preciso. É horrível ser dependente, de qualquer coisa que você necessita, mas que te necessite menos,ou nem necessite. Ele sabia disso, e por isso fugiu.
Fugimos.
Dos nossos medos de dependência química, física ou emocional, da nossa necessidade de ter esses medos que nos faziam sentir vivos por alguns minutos e entorpecidos por um outro período muito maior que o primeiro.
Ainda perdido vagando num universo que não era de ninguém mas possuia tantos donos quanto uma moeda achada na rua.
Estávamos os dois, buscando novos caminhos e respostas para perguntas antigas. Conseguimos ter saudade dos velhos caminhos e perguntas novas para os mesmos rumos.
Conseguimos entender porque algumas coisas não podem ter respostas.
Conseguimos nos perder mais um pouquinho.
Sua sensibilidade não precisava de carícias, só de palavras. Ele viu o amor com olhos de inocência e respeitou todo o resto que não podia ser visto ou entendido. Esse "amor adulto", de gente grande que precisa se prender a algum lugar com alguma pessoa em determinado tempo e guardar aquilo dentro de um báu com sete cadeados sem chave, provavelmente o mataria. Morreria o menino dos olhos puros, do sorriso cálido e das perguntas sem fim. O menino que eu amei conhecer.
Uma vez me perguntaram do que mais eu sentia falta do passado, da época de menina.
- Do amor não sexual.-
Foi fácil responder, porque é do que eu ainda sinto falta. Claro, que o amor maduro tem seu conforto, na verdade ele te acomoda na rotina do "ter alguém" mesmo que você não ame esse indivíduo. Mas nada comparado ao amor da alma branca de uma criança que se satifaz com uma caminhada  de mãos dadas, com ficar no meio da chuva com boca aberta e os olhos fechados, apenas respirando vida.
 Nesses minutos o mundo parava, o tempo parava, e a eternidade prosseguia solene no barulho da chuva. Não existia desertos sentimentais, só a chuva lavando minha alma, gotejando em meus olhos com pureza translúcida.
E eu conseguia entender e sentir o amor sem envolver sofrimento nisso.
Mas isso é só porque era criança e podia brincar de ser princesa sem medo ou necessidade de um príncipe.**Eu preferia fingir que podia ler o pensamento dos outros e ficava fazendo falas na minha cabeça. Era o máximo!
Esse pequeno príncipe me ensinou muito,e eu gostaria de ter lhe dado algo, acrescentado o mínimo a sua história. Mas meu nome não é Saint-Exupéry,então eu só li a história desse menino. Só pude ler e amá-lo em silencio atrás das lentes do meu oculos.
E o que ele me ensinou, estou tentando com dificuldade por em prática. Não sei se consigo ser feliz longe (e por longe entenda-se muuuito mais distante psicologicamente do que geograficamente) do meu objeto de dependencia, mas posso tentar.

E tudo o que tenho é a vontade de seguir em frente, pela primeira vez na vida sendo amada, eu realmente quero aproveitar essa sensação de ter um alguém te amando. Não sei por quanto tempo vai durar e nem vou me preocupar com isso.
Porque agora pretendo deixar as coisas irem com o vento, sem pressa, sem medo, sem ter por que.
A curiosidade é combustível para perserverança. Ou a solidão.

 

 

 

publicado por serenaatedemais às 23:36
Precisando de : um abraço apertado.
Ouvindo: Metal Heart - Cat Power

14
Mai 09

Confesso que estou desgostosa da vida.
Confesso que disse adeus pra alguém que eu não consigo parar de pensar.
Confesso que ele nem sabe que eu disse adeus.

A verdade é que no começo eu tinha uma desculpa muito boa pra fazer isso, mas que agora nem eu sei o porque.
Confesso que o idiota# que eu amo acha que perdi a virgindade com um amigo dele.
Confesso que esse amigo é meu melhor amigo.
Confesso que odeio que esse idiota# me evite sem saber das coisas, sem dar oportunidades de explicar porcaria nenhuma.
Confesso que teria sido mais fácil eu dar pra qualquer um ao invés de amá-lo tanto a ponto de suportar sua constante indiferença.

A parte "engraçada" é que já me disseram pra fazer isso.
Confesso que queria uma máquina do tempo, pra voltar pro útero e me enforcar no cordão umbilical.
talvez dessa forma eu esquecesse o quanto sou fracassada.
talvez eu esquecesse desse idiota, do meu melhor amigo, e da minha parentada petulante e mesquinha.
Confesso que não quero ser mais uma imbecil boazinha que ama um idiota mais velho que não liga pra ela.
Confesso que há coisas demais sobre mim.
 Me pesando e jogando pro fundo do mar.
Confesso que esse draminha está me matando e fazendo o mesmo com todos que eu amo.

Ainda que eu esteja cansada demais pra demonstrar o quanto me importo.
Confesso que não quero mais olhar pra tudo isso, mas sempre que mudo a vista de direção só encontro silêncio e escuridão.
Então eu tenho medo de ir embora pra longe da tragecomédia e acabar num monólogo.
Confesso que isso era pra ser menor, porque pensei que nem tinha tanto a confessar.

Porque essas coisas confessáveis são as mesmas que eu tranquei, são as mais imaginavelmente bobas especulações que faço nas noites em que não consigo dormir.
Confesso que ainda sou a ridiculamente imaturamente narcisamente eu virgem e imbecil apaixonada pelo idiota que não sabe de porcaria nenhuma e nem me pergunta ou deixa explicar as coisas como elas são e não como parecem ser na mente pervertida dos outros.

Confesso que mente, no final das palavras grandes gosto de colocar mente.

Porque eles sempre mentem pra mim.

e pra si mesmos fingindo que eu não significo nada.
Confesso que dessa forma teria sido mais rápido dizer tudo que sinto.

P.S:. Ele não é um idiota, só age como um idiota as vezes quando esta tentando fingir que eu não existo. Para melhor amigo:  Gostaria realmente que ambos não tivessemos dado a entender que era um adeus. Esse é um tópico do orkut, na comunidade MAN (Mulheres que Amam Nerds), chamado confessionário. Eu levei muito a sério.

publicado por serenaatedemais às 22:20
Precisando de : de mais tic-tac de maracujá
Ouvindo: Don't confess - Tegan and Sara

25
Abr 09

A fumaça do café quente embaça meus óculos mas esclarece meus pensamentos.

Ele tomando banho, num banheiro de hotel. Nós dois sozinhos, no que me parece uma situação constragedora. Meia porta nos separa, entreaberta, deixando um pouco do vapor da água escandante sair pelas frestas.

- Sabe eu não sei como dizer isso, porque esse é o tipo de coisa que exige mais do que palavras..eu tô nervosa. Mas preciso dizer.... Eu te amo..e fico pensando em você o tempo todo, e não planejei nada..eu só queria te conhecer, e desvendar quem você é..mas mudou. tudo mudou.

-Você tá falando alguma coisa???

- tô, mas não precisa ouvir. eu só quero poder falar isso alto.

- fala mais alto que eu não tô ouvindo nada.

- é exatamente isso. não precisa ouvir. só quero me orgulhar de ter dito isso em alto e bom som. Fulano...eu te amo. Não me magoe, não me decepcione, não me ignore mais. Gostaria que tudo fosse como antes..quando confiava em mim.

Os passos lentos, correndo todo o quarto. Rodando em círculos meus pensamentos só chegam até ele. Como os meus pés que insistem em parar na frente do banheiro. E de lá me afastar com a mesma pressa que chegaram.

- talvez se você abrir a porta do banheiro, eu consiga te ouvir..abri aí!

-Não!não, precisa não...

- o box tá fechado não dá pra ver nada.

-seu telefone tá tocando.

-quem é??

- um tal de turco..

-ahh...deixa tocar. abri a porta..pra mim te escutar.

Chuto a porta gentilmente pro lado..e me ponho de costas pro banheiro. Como um segurança protegendo um camarim muito importante. Na verdade o estou protegendo de mim. Desses sentimentos que ele não quer. Dessas verdades que ele não aceita.

A conversa não acaba aí. Mas muda. E eu volto a ser a covarde que nunca diz ou faz o que deveria ter dito e feito.

Tudo é sobre amor, em excesso ou ausência. Existe uma linha muito fina que separa Amor de desejo, e esse de dependência. As vezes você a ultrapassa e nem se dá conta. As vezes é só o desejo cegando o amor. Ou o amor se transformando em necessidade. E nessas vezes o que fazer?? Como fugir de si mesmo??

Uma vez sonhei que estava caindo de um precípio, e eu nunca sabia como tinha caído ou para onde estava indo, me debatia, gritava e chorava, até que um pedra quebrava minha coluna ao meio, e dividia meu corpo em dois, e antes de sentir a dor, eu voltava pra queda. Isso durou alguns dias, de noite sempre haviam as mesmas brigas, gritos e palavrões por cair na tal pedra. Até que eu parei de lutar. Fiquei imóvel, esperando a pedra me quebrar, dessa vez não doeu, não incomodou. A dor passou por mim. Foi além. Porque eu desisti de me desesperar, desistir de lutar contra ela. A aceitei como parte do que sou. Nunca mais tive esse pesadelo.

Quantas vezes lutamos contra o que é inevitável??e quantas funciona se opor??

A dor e a decepção fazem parte da vida. Ela acontece a cada instante, é como um jogo, você pode entender as pessoas, saber o que elas vão fazer, mas tudo muda a todo instante. Até o amor muda, aliais, principalmente ele muda.

-Sê, você tá aí??

-claro que tô...sou a única que dorme com vc, lembra??que pergunta besta..

-hum...tah..hauhauhauhauha. Você o ama?? mas tipow, amor mesmo...desse, igual da Bella e do Edward..ama??

- affê..amo.

- E como cê sabe que é amor?? pode ser paixão..de menininha..hauhauhauahuah

-hum...pode sim. Todo muito sente isso em algum momento da vida. Comigo aconteceu mais cedo. Só isso....mas eu sinto que é amor. E eu poderia dizer essas coisas de borboletas no estômago e sininhos tocando, mas o que eu sinto esta além dessas descrições. Eu...o quero. Como nunca quis ninguém ou como nunca pensei que poderia querer. Quero o seu bem, sua felicidade..e gostaria que ele me amasse. Mas..o que eu quero mesmo..é que ele seja feliz. Antes eu achava que não era capaz de fazer isso, mas agora...eu confio em mim. Que seria capaz de fazer tudo para deixá-lo feliz. Até sumir da vida dele.

-huahuahuahuahuahua..entendi. Mas..dói??

-Pensar nisso?? com certeza. Acho que nada pode doer mais do que aquilo que senti no dia que..saí do quarto dele. Que, o deixei sozinho. E olha...doeu pra caramba..a indiferença dele. Ele....nem sorriu pra mim. Nem uma única vez.

- Cê já pensou em parar de pensar nele??

- Lógico. pensei, tentei, fracassei. Puts..você realmente quer ter essa conversa as 3:47 da manhã Regininha???tenho que acordar cedo.

-hauhauahuahuahuah...quero carne. tô com uma fome.

Eu me levanto, emputecida. Ela esta com os olhos fechados, no mais tranquilo e falante sono do mundo.

- Tagarela dorminhoca filha da mãe. amanhã você me paga.

E ela continua dormindo e rindo e fazendo juras de amor ao namorado, além de contas do pagamento  e briga com os irmãos. Eu fico acordada, pensando na conversa e em como gostaria de fita isolante pra calar minha adorável companheira de quarto.

É incrível como toda a sua vida, parece pertencer a uma pessoa que nem tem idéia do poder que tem sobre o seu coração.

Alguns dias você não consegue respirar, e seu corpo parece um quebra-cabeça, cada pedacinho seu esta longe demais pra ser  recuperado, você simplismente não existe. Esta vazia, seca, inrrecuperável. E um novo amor não pode curar isso, porque pra se amar tem que se ter coração, e olhos abertos. Coisas mortas e gastas pela amargura. Corroídas pelo tempo, que tenta provar que o amor que dura pra sempre é só da Bella e do Edward, do Superman e da Louis.

P.S:. Obrigada a querida Regina que roubou noites do meu precioso sono com risadas, choros, brigas e conversas sem sentido para os despertos, e extremamente interessante para os sonâmbulos de plantão. te amo guria :)

publicado por serenaatedemais às 22:28
Precisando de : Precisando de mais café
Ouvindo: The Story - Norah Jones

24
Abr 09

 


Provavelmente quando ler isso, eu estarei saindo pelo portão.

Me desculpe por ser tão covarde e não me despedir da forma convencio

nal, aquela que envolve mais palavras amargas, meio sorrisos, talvez algum abraço falso perdido no ar, lágrimas, e o elemento essencial: a dor. Por te deixar de novo, por me odiar por te odiar mesmo que por alguns minutos, por desistir de tentar se feliz nessa casa.

As vezes quando eu estava no trabalho, na noite escura como uma xícara de café numa cozinha sem lâmpada, eu pensava em casa, pensava em você, e no meu quarto, e em deitar minha cabeça no seu colo e ouvir suas reclamações sobre a vida, e eu sentia falta disso. Sentia falta de tudo isso: do calor das suas mãos, das suas raras risadas, e até das velhas frases amarguradas da sua vida, sentia falta desse sentido de "lar" meio obsessivo e solitário, mas o único que eu conhecia, enquanto eu estava lá, eu pensei que tudo podia ser diferente entre a gente, que haveria respeito, e compreensão. Era ilusão.

Sempre que eu voltava pra casa, seja daonde estivesse vindo, pensava que tinha pra quem voltar, que tinha um "alguém" que me amava, mesmo sem me conhecer o suficiente. Ou aceitar como eu era, que esse alguém..poderia ser capaz de me entender.

Você sempre foi esse alguém pra mim.

Como eu posso dizer que sou grata, realmente, sinceramente grata por tudo o que me fez, mas que não é a sua vida que eu quero pra mim??

Como eu posso dizer que não me orgulho quando vejo assim tão morto e triste o coração mais batalhador e digno de orgulho que já conheci??

Vó, a senhora é toda minha família, todo o meu mundinho esta em você, e no nosso relacionamento paranóico , e por isso te daria minha vida, o mundo, tudo o que precisa ou quer , e o que não tenho eu...faria mais do que o possível pra conseguir te dar.

Por que diante de tudo o que te ofereço você me pede minha liberdade??

Você proibi a felicidade dos meus pensamentos, tolos, bobos, apaixonáveis.

Mas meus..são meus. Todos eles, todas essas palavras, meus textos, meus desenhos, meus livros e músicas, junto com meus sonhos são tudo o que eu tenho. Meus tesouros.

São idiotices como a senhora diz, talvez nunca me levem a lugar nenhum. Mas e agora, onde estou, que lugar é esse?? o que estou tentando proteger é melhor do que posso ganhar indo embora daqui??

Eu sou fraca, gostaria de ser como você. Forte o suficiete pra suportar ser mãe solteira de dois meninos e compreensiva pra aceitar criar uma adotiva, tolerante pra trabalhar com uma mãe doente e resmungona, ser mais do que mulher, cuidar tanto dos outros a ponto de se esquecer de como é olhar seu rosto no espelho. Eu não sou assim.

E acredite eu gostaria de mudar, muito. Por todo mundo qe me ama e espera mais, e espera que eu seja..normal de um jeito que eu não entendo, ser mais do que isso que sou. Do que o grande nada que sou, mas não posso. Isso, essa coisa de sonhar, nasceu em mim.Nem a corda mais forte do mundo pode me prender ao chão. Meus pensamentos me levam e meus sentimentos me arrastam.


Por favor, não me odeie. E se não conseguir, também não precisa me amar mais. A senhora deu um quarto de vida em meu nome, da minha educação, alimentação, cuidados, e agora o que eu dou?? um adeus. Numa carta com uma letra horrível.

Eu te amo, pra sempre. E nunca vou te esquecer, estou te levando comigo, só não posso mais ficar aqui. Vendo- a morrer aos poucos, se matar com a tristeza de viver.

Por favor acredita em mim. Tentei, o máximo que pude, ser  um pouco mais do que queria que fosse.

P.S:.Lembra que uma vez me perguntou por que todos meus amigos me chamam de Serena, ao invés de Priscylla, é porque eu pedi, só você pode me chamar assim, só você pode brigar comigo e me odiar por ser quem sou, por ser filha de quem sou. Priscylla vai sempre carregar mágoa, neurose e tristeza. Serena é esperança, de que..talvez eu seja diferente dos meus pais, de que faça minhas escolhas com liberdade.

Com carinho e saudades. Serena pra eles. Priscylla pra Vó Bela.

publicado por serenaatedemais às 02:21
Precisando de : abandonada
Ouvindo: Hurt - Johnny Cash

18
Mar 09

Por onde começar?? Pelo começo seria o normal, mas prefiro do meio.

"No meio do caminho tinha uma pedra", no meio da minha vida tem..Ele.

E tudo pode não ter começado por aqui, mas esta rumando por entre minhas veias dentro de mim. As coisas estavam pelo meio quando meus sonhos/pesadelos me fizeram ficar noites e mais noites sem dormir, pensando na minha "pedrinha" de um metro e noventa e seis e como eu poderia mudar sua direção. Há mais ou menos 7 meses estou vazia, com um buraco no lugar do peito, mais do que um membro faltando, é como se eu nem existisse ou sentisse nada. Eu conseguia me levantar pela manha e pensar "Nunca mais irei vê-lo, viva com isso, conviva com isso. Você não morreu". Eu estava certa, estava sobrevivendo a cada dia sem ele, sem notícias, ver fotos, e evitando pensar nele, o que era com certeza impossível. Ele dormia comigo, acordava e passava o dia devagar demais enquanto eu fugia das alucinações. Tentando um dia de cada vez, eu pensei estar indo bem. Até semana passada. Quando eu desaprendi a respirar, e a minha capacidade de raciocínio se tornou mínima (ou menos que isso) com a pequena probabilidade de estar perto dele de novo. Já havia passado tempo o suficiente - eu pensava- "estou madura, não sou mais criança, posso fazer isso. Apenas vê-lo e ir embora. sem recaídas mocinha!" , era o meu eu mais velho alertando pra dor. Foi mais ou menos isso, eu estava em pé conversando com outra pessoa falando dele, e de repente...não mais que de repente escutei sua voz. Se tivesse um monitor cardíaco ao meu lado teria feito um piiiiiii durante 5 segundos antes de voltar vigorosamente a marcar meus batimentos ainda descompassados. Eu me virei deslumbrada, com sua voz, seu sorriso e tudo mais. Ele me abraçou, apertado, junto demais. Fiquei meio tonta, ainda sem respirar, pensando em algo coerente pra dizer.

"As sensações voltaram mais forte agora, por que???" - pensei.

Porque eu sou estupidamente incapaz de me mover quando ele esta por perto.

Eu gostaria de explicar a situação claramente mas não posso, colocar nomes, ou descrever os acontecimentos com exatidão, o texto seria demasiado exagerado vindo de mim. Como sempre o é.

Resumindo, eu fiquei ao lado dele, mesmo quando devia ter fugido, e fugi mesmo quando queria ter ficado. E fiz o que qualquer pessoa diria ser loucura. Eu o perdi.

É isso o que acho, não que realmente eu o tenha tido. Eu tentei entender em mim o porque daquelas reações tão adversas, minha necessidade dele, mas meu afastamento, meu aproximamento de outros caras nos últimos meses, o porque de eu tentar tanto e tão dolorasamente ir em frente, o porque de tentar (e apenas tentar e nunca conseguir) esquecê-lo.

Eu estava numa Igreja, e ele na minha frente vestido de noivo, sorriu pra mim, mexeu no meu cabelo, se aproximou e beijou minha testa, e toquei seu rosto, seus olhos fechados sentindo meu calor. De repente ele abre os olhos e diz - Ali vem ela! - com um sorriso não tão bonito quanto eu me lembro, mais melancólico eu diria.

Quando eu me viro, vejo a Barbie Malibu (filha da p*%A) vestida de noiva, indo em direção a ele. Começo a chorar, e pergunto a ele - Você a ama??

e ele me acusa - Você ama o S47184S!- eu choro, choro, e grito - Eu te amo, sempre te amei, e tudo o que quis era te ver feliz, por isso fiquei calada, por isso tentei, tentei, te esquecer, tentei ser normal, ficar, pegar seja lá que diabo todos fazem, mas cada boca que beijava..era na sua que eu pensava, cada passo pra longe que dava, pensava que seria melhor pra você se eu não complicasse as coisas dando uma de maluca apaixonada a seus pés!- Eu só queria..te ver feliz - eu disse quase sussurrando - sou muito pouco pra você, desajeitada, feia, egoíta e tudo mais...só queria que fosse feliz, mas agora..vendo ela, eu não suportaria te ver com outra, imaginar era uma coisa, mas ver...? - e voltava a chorar.

Acordei assim as tantas da madrugada, suada e cansada, mais uma semana como essa sem dormir e pronto, eu viraria um membro da família Cullen por causa das olheiras "charmosas" que estava ganhando. Depois, não dormi mais.

Foi aí que eu percebi que não poderia mais esperar, tentar impedir, ou tentar esquecê-lo, fazer o sentimento simplismente sumir, não depois de tê-lo tão próximo a mim. Eu vou lutar.

Eu fiz besteira, algo que o magoou ou decepcionou, mas.. não vou desistir, estou cansada desses pesadelos estúpidos me dizendo o que eu não quero gritar. Eu o tive a menos de 20 cm de mim, e o deixei ir embora sem saber..

O quanto o amo, o quero. Mas agora..eu vou até o fim com isso. Mesmo que o sentimento não seja recíproco.

O que me assusta não é saber que nunca vou amar outro como o amo, isso é óbvio, o problema é sentir que não POSSO mais amar, nenhuma outra pessoa, eu simplismente não consigo. E isso é uma confissão de um crime sem perdão, porque eu beijei várias bocas desejando uma, olhei vários rostos esperando um sorriso, e isso é odioso, eu usei outras pessoas para o meu propósito de tentar viver sem ele, e por isso peço perdão.

Mas agora que eu sei, que eu tenho essa certeza tão palpável quanto os cabelos dele, eu estou indo, atrás dessa oportunidade, de ser feliz com ele, de voltar a existir.

Sabe, com certeza voce acha que é um esforço muito grande o que eu faço pra ir te ver, sair de casa, pegar ônibus, esperar algumas horas, mas sendo sincera, eu só o faço por egoísmo, porque eu preciso de você, eu faço isso pra me sentir bem. Eu esperaria uma vida toda pra ganhar só um anoitecer como aquele, ainda que silencioso, aonde eu era a observadora, vendo o que pra mim é o mais lindo no mundo.

É um caminho longo demais até a sua confiança, um que não importa quais pedras apareçam, porque se antes eu tinha um mínimo de dúvida que me permitia dormir em hotéis com "estranhos" e ter "namoros" super sônicos, agora não existe nada. Nem uma dúvida de que o caminho que a minha pedrinha interferiu com certeza se tornou mais bonito e feliz com sua presença.

Eu não me importo de te esperar. Porque se eu não disse pessoalmente..fica aqui com as palavras que mais admiro (as escritas, que pra mim são promessas) que eu te amo.

E tudo o que eu quero por agora e outro período ilimitado de tempo..é você.

Dedicado aquele o qual o nome não pode ser dito (Lord Valder...Opsss)

 

 

publicado por serenaatedemais às 23:48
Precisando de : apaixonada e decidida
Ouvindo: The Last time I saw Richard - Legião Urbana

04
Mar 09

A parede amarelo clara, as poltronas azuis, aquele tapete cheio de desenhos que borboletavam no chão. E ele em fretne em mim. Eu pudia reconhecê-lo em qualquer lugar do mundo. Seu rabo de cavalo grisalho era inesquecível.

Estavamos no consultório, na terapia como havia acontecido muitas outras vezes, mas desta vez eu não estava sentada a sua frente. Eu estava do lado de fora da cena, como que num cinema comendo pipoca e observando a conversa tentando entender do que falavam.

As pontas dos seus dedos se encontrando, sua cabeça jogada pra trás, ele pensando na pergunta. Agora os olhos fechados olhando em frente, como se me visse.

-Você é feliz?? - a pergunta saia como como um corte de papel, um pequeno mas visível corte no dedo. Surpresa, poucas vezes estive assim, porque poucas coisas conseguiam me deixar constragida, mas essa, eu descobri rápido. Fora uma delas.

-Sim, bom..não completamente, mas sei que devo ser grata por tudo que tenho, sabe..comparando a um mendigo, que não tem ninguém, nem lugar pra morar. Sou feliz por isso..tenho muito. -estava embaraçada, sem saber se fora convincente o suficiente.

-Você precisa se comparar a um mendigo pra se sentir feliz??- Ele abrira os olhos.

Aquele foi o segundo corte. um pouco maior. Tentava apertar meus dedos bem juntos, mesmo sabendo que não existia nada sangrando. Não de verdade, só numa parte onde ninguém via.

Antes que eu pudesse me ver respondendo a pergunta, tudo ficou escuro. E fui sendo puxada pra trás, levada pela mão. Estava tão escuro, e eu com medo olhava pra baixo, só parei quando senti meu pé batendo em algo. Quando olhei pra cima, vi um caixão. Me lembro bem demais daquele maldito caixão, lá dentro como sempre, estava meu pai. Ele estava bem paradinho, eu comecei a tatear seu rosto, bem devagar tentando guardar cada sensação do contato dos meus dedos com sua pele fria, cada marca facial, ruga, cicatriz queria guardar tudo em mim, as lágrimas corriam soltas, até que de repente ele respirou fundo, seus olhos se abriram.

-Esta fazendo cócegas, desse jeito não posso dormir- não estava bravo, ou chateado, pediu com calma. E deu um sorriso, a boca, com algodão caindo pelos cantos.

O soltei, fiquei imóvel sem saber o que dizer, andando pra trás, até tudo ficar escuro de novo, e silencioso. O terrível silêncio, e eu caladinha encolhida no chão, tentando entender o que estava acontecendo.

De repente ouço risadas, altas, gostosas de se ouvir, soltas e leves, como bolhas de sabão. Olhei em frente, eu estava deitada no meio do corredor de um hotel, e na hora pude perceber o rapaz parado a minha frente. Alto, magro e inbrozeável. De boné, cabeça baixa me oferecendo a mão como apoio, eu levantei, ele passou a mão por meu cabelo e deu um beijo na minha testa. Ele me deixava tranquila, agora eu iria embora daquele pesadelo pra um sonho. Precisava disso, de paz, de calma, ter certeza que ele ficaria comigo.

- Meu cabelo é liso, eu não faço chapinha- foi uma coisa idiota, estúpida de se dizer, então pensei "por que diabos disse aquilo??".

- Eu sei, ninguém disse isso.- Me olhou com cara séria, e a mão fazendo sinal de negativo. Me senti mais idiota ainda por aquilo, ele foi andando na frente pra pegar o elevador, eu fui atras, ele indo cada vez mais rápido, agora eu correndo para alcançá-lo.

- Não vá embora, me espere, por favor, só um pouco.

Eu estava sozinha agora, sozinha de novo. Até alguém sussurar no meu ouvido -

"Senão é como amar uma mulher só linda
E daí? Uma mulher tem que ter
Qualquer coisa além de beleza
Qualquer coisa de triste
Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade
Um molejo de amor machucado
Uma beleza que vem da tristeza
De se saber mulher
Feita apenas para amar
Para sofrer pelo seu amor "
- Eu sabia muito bem de quem era aquela voz, porque a adorava, me virei alegre. E tudo o que via era um vulto correndo.

-Você tem que ficar sozinha.

Ele sumira completamente, e eu sentia uma mão gelada me segurando. Relutei em me virar, estava cansada daquilo, cansada demais pra lutar contra o medo.

Olhei.

Era uma menina. Eu sabia quem era. Era a MINHA Luiza..a minha Luz. Estava chorando e pedia ajuda, tinha queimado o braço, e ela gritava de dor. Eu entrei em desespero, corremos pela escuridão procurando ajuda, até tudo começar a ficar estranhamente claro, estávamos no meio do nada, no meio do mato. Eu sabia onde estávamos. No meu trabalho, quer dizer..na vegetação da fazenda. E o fogo parecia comer tudo em volta, a segurei em meus braços, chorando, chorando, o medo explodindo nas lágrimas. Ela me olhou, se afastou:

-Estou indo embora, não quero ficar com vc, não quero.- Se virou e foi indo.

Eu correndo atrás dela, não a deixaria sozinha. Não queria ficar sozinha.

- Por favor, minha luz, fique, não vá.- A toquei, segurei seu braço, e de repente, ela foi derretendo, virando cinzas.

- viu o que você fez, Priscylla, você sempre faz isso. Tudo o que toca...morre de alguma maneira.- E morreu.

O fogo chegando, e eu caída no chão, chorando,chorando, chorando..sozinha.

Quando acordei, suada, e coberta por lágrimas não sabia quanto tempo durava o sonho/pesadelo. Pareceu uma eternidade.

Eram 3:47 da manhã. Não consegui dormir, não tinha vontade disso, tinha na verdade medo de começar tudo de novo, de novo e de novo. Fiquei olhando o teto, pensando e entendendo como de uma aluna de ensino médio quase feliz tinha passado para uma assalariada deprimida. Um zumbi, faminto não por cerebros como a maioria, mas por sentimentos, qualquer coisa que me fazesse sentir viva. Desde..muito tempo, eu já não ligo pra nada, amigos me são indiferentes, musicas não me tocam, ou emocionam, livros não surtem o mesmo efeito. Estou louca, obcecada, terrivelmente sozinha, e nem ao menos posso dizer porque estou assim.

O sonho acabou mais ficou rodando em mim o dia todo. Mostrando o quanto eu era prejudicial a quem estava comigo.

Tudo o que mais quis..talvez ainda queira mas não com tanta vontade é morrer.

E é idiotice pensar nisso, porque quanto mais se quer, mais longe se esta. Percebi que não tinha mais medo de morrer, hoje quando acordei, tudo o que eu queria e precisava era morrer. Não importa a dor que causasse na minha vó..era isso o que eu queria.

Em parte é isso que quero.

publicado por serenaatedemais às 21:12
Precisando de : vazia
Ouvindo: Eyes on fire- Blue Foundation

27
Jan 09

Tem dois anos que tenho blog, mas nunca escrevi uma linha sobre meu aniversário. E nem sei por que não o fiz antes. Adoro aniversários, aprendi a gostar quando era pequena. Meu pai me ensinou que nesse dia eu teria que avaliar tudo o que fiz durante um ano, e considerar se foi bom ou não, e o que eu poderia ter feito pra melhorar as coisas. Ele também me ensinou a me presentear, sempre que fizesse algo que tenho medo ou que pensasse que não tinha coragem o suficiente pra fazer.

Ele me ensinou a contar estrelas de dois em dois, porque acreditava que as estrelas eram namoradeiras e viviam em par. Me ensinou que o ato de nascer é tão lindo quanto o de término da vida, pois é quando uma nova história pode ser reescrita dia após dia. Por isso eu gosto de ler, amo meus livros e vivo cada conto que leio.
Meu pai gostava dos meus cabelos e só ele sabia como mexer neles pra me fazer dormir. Uma vez um cara mexeu no meu cabelo daquele jeito, estávamos dentro de um táxi e eu queria um engarrafamento. O Pedro Pintor como chamavam meu pai, não gostava de futebol, gostava dos exercícios mentais, e por isso durante 4 aniversários me deu livros. Eu acho que ele gostaria de futebol se me visse jogando no 2° ano, como goleira.
Minha mãe já foi cigana, do verbo “não parar quieta em canto nenhum” uma vez ela veio duas semanas depois do meu aniversário e me deu uma saia de cigana, eu fiquei alguns meses usando, e mal podia me separar dela que abria o berreiro.
O pior aniversário de que me lembro foi na 3° serie porque eu reprovei, mas ninguém brigou comigo porque era “O meu dia”, então meus tios nem olharam na minha cara, apenas deixaram recado com a minha vó. Meu pai não apareceu.
Depois na véspera do Natal, ele veio e me entregou uma pulseira com três pedrinhas brilhantes e disse que uma era eu, a outra ele, a última meu irmão. Que sempre estaríamos juntos, e que quando eu ficasse com saudade usasse a pulseira. Dias depois, desastrada como sou quebrei o fecho, chorei dias e dias pedindo pra minha vó arrumar, como ela não quisesse,  eu roubei fita durex e enrosquei na pulseira toda, mas nem assim deu jeito.
Minha bisavó sempre me dava calcinhas com estampas engraçadas: Teletubbies, Mickey mouse, pato Donald, a que eu mais gostava era do Snopp. Depois que ela morreu nunca mais me deram calcinhas como aquelas. Ela costumava me abraçar bem apertado e dá um beliscão na minha bunda. Eu ficava tão pertinho que sentia o cheiro de talco. Nos outros dias do ano sempre brigávamos, mas no meu aniversário podia sentir que “aquilo” entre a gente era amor.
Desde pequenininha minha vó me acordava cedo, me dava um abraço e falava coisinhas no meu ouvido, as vezes eu nem entendia porque tava embriagada de sono, mesmo assim sempre chorávamos. Porque como minha vó trabalhava o ano inteiro,saia super cedo e chegava tarde da noite, nesse dia ela chegava atrasada no trabalho só pra me dar aquele abraço, além de ir a padaria e comprar  um pedaço de rocambole pra mim, o que virou uma espécie de “tradição”. Todos os meus aniversários têm coisas diferentes, legais, únicas e que fazem eu me sentir amada. Não pelo presentes, ou pelos desejos de felicidade, parabéns e blábláblá, mas pelas  pessoas que estão comigo que o tornam o melhor que qualquer outra coisa poderia ser.
Obrigada.
Por estarem comigo, me suportar, me ouvir, por entender que as minhas palavras são tudo que posso oferecer como agradecimento por serem tão maravilhosos.
Apenas Obrigada.
publicado por serenaatedemais às 18:23

10
Jan 09

Um dia quando era mais nova fui conhecer a chácara de um namorado da minha mãe. Ele era uns 40 anos mais velho que ela. Estávamos conversando sobre a natureza e as coisas que o homem faz com ela, eu o disse que prendiam as borboletas, que as caçavam como se fossem perigosas, depois com a ajuda de alfinetes as colocavam em quadros pra ficar olhando e diferenciando as espécies. Lembro que ele me olhou com espanto, e com um sotaque meio caipira disse “Num pode uaii, fazer isso com umas coisa tão linda, tem que deixar as borboleta avoar pelo céu”. No dia eu achei graça, o seu jeito meio bobo de falar, as idéias tão bonitas e ingênuas que ele tinha sobre liberdade. Depois entendi que a boba era eu.

A gente não sabe amar, ensinam de maneira errada, ou escravizamos ou somos escravizados, não aprendemos a deixar o amor livre, queremos ele como as borboletas em seus quadros. Como os passarinhos numa gaiola.
Minha vó todo dia acordava cedo e jogava arroz no quintal, era o seu jeito de chamar os passarinhos pro café da manhã, e ficava conversando com eles. Um dia ela estava triste, quando eu perguntei porque ela disse “O brilhoso, um passarinho todo pretinho não apareceu hoje pra comer”, então eu falei “porque a senhora não prende os passarinhos na gaiola assim vai saber que estão sempre bem, e vai tê-los perto”. Ela me disse que não queria eles tristes e por isso não os trancava, deixava arroz pra aconchegá-los, só isso. Tem gente que gosta tanto do canto do passarinho que põe ele numa gaiola pra ouvir seu canto sempre que quiser. Enganam-se, canto de coração preso é tristeza, solidão e acima de tudo saudade de liberdade, de voar pela imensidão do céu, de ir pra onde quiser. Canto mais bonito é quando ele voa tanto que esta cansado de voar, eu não sei falar passares, mas sinto que aquilo é alegria.
Há quem ame assim, prendendo tudo aquilo que ama achando que assim será feliz, amando de maneira egoísta, pensando apenas em si. Mas amor, verdadeiro, puro, amor que palavra nenhuma explica são como os passarinhos da minha vó, mesmo quando não tem arroz ele vem pra ouvir a voz dela.
Uma garota que eu nunca vi na vida, que nunca falou comigo, me mostrou que o amor é liberdade. Em sua forma mais simples e também mais confusa. Eu aprendi a amar assim, errado: Com eus te amos, eus te quero, sem saber que amor também é sacrifício, não é se amar menos que ao outro, apenas ama-ló de um jeito diferente. Deixando que ele seja feliz ainda que não com você.
E eu amo. Esse cara, esse homem, esse amigo. Que mesmo sem saber me ensinou muito mais estando longe.
Sempre fui persistente, em casa,nos estudos, com meus amigos e achei que com o amor também era pra ser assim esforçada, resistente, mas esta errado. Quando duas pessoas se amam elas simplismente ficam juntas porque não existe obstáculo que não possa ser superado. Em alguns casos o amor adormece dentro da gente, fica esperando aquele alguém voltar, e o tempo passa, e a vida anda, o amor não acaba se é verdadeiro ele se afoga em suas lembranças. Pra voltar quando os dois estiverem prontos.
Eu não quero mais tentar prender quem eu amo, com minhas paranóias, meus medos, desejos. Agora estou reaprendendo a amar, pra me deixar ser amada. Sei que não estou totalmente certa, mas nem quero estar sempre certo é um saco, eu quero errar, muito e sempre pra poder aprender.
Amor é como passarinho tem quer ser criado solto. Livre de si mesmo. Voando sob todos os medos, encarando o horizonte que não chega nunca, mas esta logo ali na frente. Eu vou continuar te amando.
Eu sei que vou te amar – Tom Jobim e Vinicius de Moraes
Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente, eu sei que vou te amar
 
E cada verso meu será
Prá te dizer que eu sei que vou te amar
Por toda minha vida
 
Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
 O que esta ausência tua me causou
 
Eu sei que vou sofrer a eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida
 
Possuímos poucas certezas na vida. E nem todo  dinheiro do mundo pode comprar a certeza que carrego comigo.
publicado por serenaatedemais às 00:26
Precisando de : apaixonada
Ouvindo: Eu sei que vou te amar - Tom Jobim
tags:

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
Frio de tão velho
Alguma coisa sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO